SOU + VÔLEI: Chegou a plataforma de relacionamento e fidelização do vôlei nacional. CLIQUE AQUI E CADASTRE-SE.

Mari, Paula e a felicidade no vôlei de praia

11 DE MARÇO

Mari, Paula e a felicidade no vôlei de praia
Mari e Paula (dir) durante estreia no vôlei de praia (Créditos: Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

Elas são novatas, mas não estão em início de carreira. Mari Steinbrecher e Paula Pequeno têm 36 e 38 anos, são campeãs olímpicas – Paula, duas vezes – e acumularam uma experiência enorme ao longo dos cerca de 20 anos de carreira no vôlei de quadra. Agora tudo mudou. Elas resolveram trocar de piso, optaram pela areia, e chegaram como iniciantes à etapa do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia em Aracaju (SE), disputado até o último domingo (08.03).

A primeira experiência da dupla foi com um tropeço – natural- dentro de quadra, mas Mari e Paula provocaram uma agitação grande na arena e redes sociais. Quebraram recorde de audiência na transmissão via internet, e corresponderam às expectativas dos fãs com atenção e carinho a todo momento. A troca também aconteceu com os jogadores já experientes no vôlei de praia, que receberam muitíssimo bem a nova dupla do circuito.

Mari e Paula estão felizes. A empolgação é vista facilmente nas duas atletas, que demonstraram entrosamento inclusive nas respostas (feitas separadamente) nesta entrevista exclusiva para a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Saiba um pouco mais sobre a dupla que, depois de ter vivido o ápice da quadra, busca espaço no que é novo e já conquistou o coração das craques.

- O que motivou a mudança da quadra para a praia?

MARI – Na verdade, eu estava batendo bola na areia mais de brincadeira, só para não ficar totalmente parada. E, conforme foi passando o tempo, fui pegando gosto pelo esporte. Acho que o maior desafio foi aprender um negócio novo. A verdade é que depois que a gente para, falta a adrenalina de jogo, a gente sente falta da rotina de treino e eu sentia falta de alguma coisa que me desafiasse, me motivasse e a areia acabou se encaixando muito bem nessa questão.

PAULA – A grande motivação foi o convite da Mari. Naquele momento não conseguia entender se era uma missão dela ou minha, mas, se for dela, quero fazer parte. Se for minha, que bom que é com ela. Depois do convite, quando percebi o tamanho do desafio, que é muito grande, isso mexeu comigo de uma maneira positiva.

- Qual é a maior dificuldade nessa transição?

MARI – Todas (risos). Nada é fácil nessa adaptação ao novo esporte. A primeira coisa é aprender a andar na areia, depois a se deslocar, saltar com os buracos que desequilibram. Como entrar para atacar a bola, levantar, passar, o tempo de saída do bloqueio. Então, na verdade, não tem nada fácil. Depois disso, tem o vento de todas as direções que nos forçam a precisar entender como levantar, como acelerar o saque, enfim, são milhões de detalhes que só com o tempo vai ficar automatizado na nossa cabeça.

PAULA – Primeiro, a física. Até condicionar, até acrescentar a parte de resistência, demora. Na quadra nós damos ênfase à explosão e potência, e na areia, tem isso também, mas com uma boa dose de resistência. A parte física pesa e o fato de precisar perder alguns vícios da quadra, como posicionamento tanto de defesa, quanto do passe. A quadra é muito grande, saber dividir melhor os espaços e saber fazer leitura mais rapidamente por sermos só duas. Nesse caminho, a dificuldade vai aparecendo.

- O que tem feito você mais feliz no voleibol de praia?

MARI – Os locais onde a gente treina, a liberdade de estar ao ar livre, acordar e sair de short e top, de chinelo, o sol que vai estar lá praticamente todos os dias. A liberdade de fazer os nossos horários, tudo isso a gente valoriza muito porque são coisas que não tínhamos na quadra, onde era preciso renunciar a muitas questões por motivos óbvios. Na quadra, somos um time e temos que seguir aquelas regras estabelecidas. Isso está sendo um ponto muito importante até para a nossa cabeça porque depois de 20 anos trabalhando na quadra, essa flexibilidade ajuda muito.

PAULA – A atmosfera, o estilo de vida, sempre em contato com a natureza, um clima mais leve. Sem contar que em um time só com duas pessoas, tudo fica mais flexível. Nós que decidimos a maioria das questões e isso tudo está me fazendo muito bem.

- Quais são os objetivos nesta nova fase da carreira?

MARI – Primeiro aprender a jogar direito. Estamos treinando bem, mas não conseguimos jogar ainda como estamos treinando. Eu credencio isso ao fator emocional, vento, pelo fato de não jogar muito com duplas femininas. É outro jogo do masculino, com quem treinamos. As meninas normalmente largam mais, por exemplo. Muda bastante. Agora precisamos pegar mais essa experiência.

PAULA – O primeiro, sem dúvida, é aprender a jogar vôlei de praia (risos). É um processo longo, lento, até porque precisamos aprender a malícia do jogo e isso só se consegue rodando mesmo, competindo bastante. E depois temos as metas de médio e longo prazo. Primeiro, quem sabe daqui a um ou dois anos, começar a disputar os torneios internacionais para ganhar um novo parâmetro. Depois, sonhamos com os Jogos de 2024. É um sonho bem ambicioso, até porque as meninas que estão aí jogam esse esporte há mais de 10 anos. Vai ser uma missão bem difícil, mas sonhar não custa nada.

- Vocês se conhecem há muito tempo, mas é diferente conviver tanto assim como agora?

MARI – A gente se conhece há 20 anos e está sendo muito legal conviver assim, mais próximo do que nunca. Além de parceira de quadra, a Paula é minha amiga fora dela. Lógico que tem horas que vamos discordar e mesmo discutir na quadra, isso é normal dentro da parceria, mas entendemos que fora de quadra não vamos levar isso adiante. Às vezes é difícil, mas a gente se senta, conversa, acerta os pontos e o mais importante é que estamos sempre abertas uma a outra. Está sendo muito legal estar com ela todos os dias.

PAULA – Sim, há cerca de 20 anos. Temos muita afinidade. É claro que essa convivência fora e dentro de quadra, com mais intensidade, não tendo mais gente para dividir o estresse e tudo mais, gera um desgaste. Mas o fato de ter muito carinho entre a gente, vai levar a tirar de letra os momentos difíceis.

- O que você mais gosta na sua parceira?

MARI – É difícil falar porque a gente é muito amiga, mas, dentro de quadra, vejo ela com muita sede de aprender, muito disponível a aceitar as coisas, correr atrás, encarar novos desafios. E essa disponibilidade e a vontade de aprender faz a Paula parecer uma jogadora infanto em um esporte novo. Acho bonito ver ela empolgada e chegar feliz a cada treino.

PAULA – O lado descontraído da Mari extra-quadra. Apesar de não parecer, de algumas pessoas pensarem que ela é fria, não é nada disso. Ela fala para caramba, é super engraçada, e esse alto astral ajuda bastante nos momentos sensíveis e delicados.


Banco do Brasil

PATROCINADOR OFICIAL

Parceiros Oficiais