Após medalhas na China, duplas brasileiras buscam pódio na República Tcheca

em Ostrava

27 de maio de 2019

Torneio acontece nas instalações de antigo complexo industrial

(Divulgação/FIVB)

Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) – 27.05.2019

Os times brasileiros seguem na ‘maratona’ de torneios pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2019. Após a conquista de três medalhas na etapa de Jinjiang (China), no último final de semana, o próximo desafio começa já a partir desta terça-feira (28.05), com a etapa quatro estrelas de Ostrava (República Tcheca). O Brasil já tem seis times garantidos na fase de grupos, mas o número pode aumentar para nove após a disputa do classificatório.

No naipe masculino, a primeira partida de brasileiros será pelo country quota, duelo que define o representante do país no classificatório. André Stein e George (ES/PB), que foram bronze em Jinjiang, encaram Guto e Saymon (RJ/MS) nesta terça-feira, em horário que ainda será confirmado pela organização. Quem vencer, disputa no dia seguinte o classificatório em busca de vaga na fase de grupos da competição internacional.

As duplas Pedro Solberg/Vitor Felipe (RJ/PB), Evandro/Bruno Schmidt (RJ/DF) e Alison/Álvaro Filho (ES/PB) já estão garantidas na fase de grupos pelo ranking de entradas e entram em ação apenas na quinta-feira (30.05). Evandro, que ficou com a prata no torneio de Jinjang, no último domingo, comentou a expectativa para o próximo evento do tour.

“Estamos felizes com o crescimento do time, mas sabemos que ainda temos um caminho longo pela frente. As viagens e os torneios seguidos fazem parte do Circuito Mundial, Bruno e eu já estamos acostumados, nos preparamos para essa série. Esperamos representar nosso país da melhor forma possível, vamos manter a dedicação e vontade”, destacou.

Já no naipe feminino, a primeira participação dos times brasileiros será na quarta-feira, quando Talita/Taiana (AL/CE) e Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ) disputam o classificatório. Diferente do naipe masculino, onde somente um time estará no classificatório, no feminino serão duas duplas pois Fernanda/Bárbara recebeu um convite (wild card) para esta fase. Convites não contam para o limite máximo de times por país.

Ágatha/Duda (PR/SE), Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) – que foram bronze na China – e Carol Solberg/Maria Elisa (RJ) já estão garantidas na fase de grupos pelo ranking de entradas e começam a participação na quinta-feira. O torneio na República Tcheca segue até domingo (02.06), dia das semifinais e disputas de bronze e ouro nos dois naipes.

Ostrava será o terceiro torneio do nível quatro estrelas em três semanas. O primeiro aconteceu em Itapema (SC), terminando no dia 19 deste mês. Na sequência veio a etapa de Jinjiang (China), encerrada no último domingo, e agora é a vez da cidade tcheca. A etapa de Ostrava conta pontos para a corrida olímpica brasileira. A cidade recebeu um torneio do Circuito Mundial pela primeira vez em 2018.

Os torneios do Circuito Mundial são divididos em estrelas (uma até cinco). Ostrava é o quinto torneio nível quatro estrelas disputado em 2019. Outros cinco desta categoria serão realizados até o final do ano. com distribuição de cerca de R$ 1,2 milhão em prêmios para todos os times em disputa, sendo cerca de R$ 80 mil para a dupla campeã de cada naipe.  A competição também dará 800 pontos aos campeões em cada naipe.

A corrida olímpica que define as duplas brasileiras para Tóquio-2020 leva em consideração os 10 melhores resultados nos eventos quatro e cinco estrelas, além do Campeonato Mundial. Essa disputa acontece em paralelo com a disputa para assegurar a vaga do país, que segue as regras da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). Cada nação pode ser representada por, no máximo, duas duplas em cada naipe.

Os países possuem quatro maneiras de garantir a vaga: vencendo o Campeonato Mundial 2019; sendo finalistas do Classificatório Olímpico, que será disputado na China, também em 2019; estando entre as 15 melhores duplas do ranking olímpico internacional; vencendo uma das edições da Continental Cup (América do Norte, América do Sul, África, Ásia e Europa). O Japão, sede, tem uma dupla em cada naipe já garantida.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro